Nesse artigo abaixo, o autor nos brinda com uma excelente reflexão sobre Teologia e sua necessidade. Há muita resistência em relação à Teologia. Não sei se essa “má fama” da teologia é algo como um pretexto de manipulação por parte de líderes religiosos, pois se seus membros não estudarem Deus, serão muito facilmente manipulados, ou se essa resistência é só parte da velha resistência do homem em conhecer profundamente a Deus.

O nosso “Deus” fabricado, aquele que nos dá arrepios quando ouvimos música bonita, aquele que nos deixa contente, quase em êxtase, quando vemos a beleza da natureza, aquele que promove a unidade e fraternidade irrestrita, aquele que é defensor dos fracos e oprimidos, aquele que quer extirpar todo o mal e nos dar prazer sem fim; esse “Deus” é muito melhor que o Deus criador de todas as coisas, que nos proporciona sim a felicidade, mas essa vem através da obediência e disciplina, o verdadeiro Deus que nos deu regras e dogmas para cumprirmos para termos sim a perfeita liberdade e o perfeito amor, o verdadeiro Deus que criou a sazonalidade, os altos e baixos, as aparições e construções de coisas magníficas, mas também o colapso e destruição de outras coisas boas em todo o universo, incluindo nossas vidas. Esse Deus, para o entendimento do Qual nos guia a teologia, não é tão “legal”, tão “prazeroso”, como o Deus da experiência temporária.

Que Deus nos abençoe e ajude a “sair da praia” e irmos mais fundo nesse mar de conhecimentos maravilhosos sobre Deus.

Agora, a teologia é como um mapa – nada mais é do que aprender e pensar sobre as doutrinas cristãs. Ficar nisso, é menos real e menos emocionante do que [senti-Lo em uma experiência sobrenatural]. As doutrinas não são Deus; elas não passam de uma espécie de mapa. Acontece que esse mapa é baseado na experiência de centenas de pessoas que realmente estiveram em contato com Deus; experiências comparadas com quaisquer emoções ou sentimentos piedosos que você e eu poderíamos experimentar, considerados elementares e até confusos.

Em segundo lugar, se você quiser chegar mais longe, terá de usar o mapa. Veja bem, o que aconteceu com aquele homem [que teve uma experiência onde sentiu Deus] no deserto pode ter sido verdadeiro, e certamente foi empolgante, mas isso não resulta em nada. Não há nada que se possa fazer a respeito. Na verdade, eis aí a razão por que uma religião vaga, algo como sentir Deus na natureza e assim por diante, é tão atraente. É só emoção, sem qualquer trabalho; é como observar as ondas do mar a partir da praia. Você jamais chegará a outro continente estudando o oceano Atlântico dessa maneira, e jamais obterá vida eterna só de sentir a presença de Deus nas flores ou na música. Nem chegará a lugar algum apenas olhando os mapas, sem ir para o mar. Tampouco estará seguro se entrar no mar sem um mapa.

C.S. Lewis

Anúncios