Você com certeza já ouviu falar na expressão “dar um jeitinho”, “jeitinho brasileiro”, não é mesmo?

Hoje em dia essas expressões são pejorativas e de má fama. Se você for a uma entrevista de emprego, ou estiver em alguma reunião com algum cliente ou parceiro, você será taxado como corrupto.

Lembro quando eu era criança e o brasileiro se orgulhava do seu “jeitinho”. Eu via na TV ou ouvia no rádio ou nas ruas as pessoas orgulhosas ostentando o “jeitinho brasileiro” de enfrentar as situações. Era época da inflação alta, da implantação da Democracia no país, dos salários miseráveis que a grande maioria dos brasileiros ganhava e não dava para ter nem o básico, pois além do salário ser baixo, os preços aumentavam de um dia para o outro. Era aí que entrava o nobre “jeitinho brasileiro”.

O brasileiro conseguia, mesmo sem estudos ou alguma orientação na mídia para o grande público, se organizar para “dar um jeitinho” na escassez de recursos que assolava o brasileiro na época. Isso era incrível! Lembro que isso era motivo de estudos de economistas no mundo inteiro. Como, por exemplo, uma chefe de família que ganhava um miserável salário mínimo e não tinha um outro provedor em casa, pois não tinha marido e ainda tinha crianças em casa, consegui comprar o necessário para todos, em uma época assim?

Esse “jeitinho brasileiro” era algo a se orgulhar mesmo. Mas o tempo passou…

Hoje não temos mais inflação. O salário mínimo ainda é uma vergonha, mas consegue garantir no mínimo a cesta básica de uma família. Hoje a educação está mais acessível com a democratização da informação pela internet e isso torna a ascensão social e econômica uma possibilidade cada vez mais forte, segundo a competência e a oportunidade..

E o “jeitinho”? Bem, o jeitinho virou corrupção. O brasileiro tem sua chance de evoluir, mas prefere “se dar bem” a qualquer custo. “Jeitinho brasileiro” hoje é uma maneira do brasileiro se apropriar do que não é dele ou conseguir sair impune de algo errado que fez e deve prestar contas à sociedade, à Igreja, aos amigos, à família e a qualquer outra instituição ou pessoa que tenha defraudado.

O brasileiro não quer assumir as coisas erradas que fez e prestar contas por isso, antes prefere dar um “jeitinho” de sair impune. O brasileiro não quer cumprir com suas responsabilidades com a nação, com o governo, com a sociedade, com a Igreja, com a família, com a empresa em que trabalha, mas arranja um “jeitinho” de se livrar da resposabilidade e, caso aconteça algo danoso por culpa dessa irresponsabilidade, o brasileiro dá um “jeitinho” de botar a culpa em outra pessoa e assim ficar com a consciência tranquila.

Exemplos disso vemos no governo, onde muitos políticos nos humilham se apropriando do que não é deles e gastando fortunas que são de posse da nação, não deles. Vemos também esses políticos negligenciando a responsabilidade deles em melhorar nossos sistemas de saúde e educação, mas sempre dão um “jeitinho” de botar a culpa em outras pessoas, outras instituições, outras gestões ou outras administrações. Assim dormem em paz enquanto o povo morre nos corredores dos hospitais..

Vemos esse mesmo jeitinho no povo, que elege os mesmos crápulas irresponsáveis e ladrões de sempre, mas se escusam dizendo que “é tudo igual” dando um “jeitinho” de se esquivar da responsabilidade de votar bem nas nossas eleições. Esse mesmo povo que frauda o transporte público, que finge doença no INSS, sem se preocupar com os realmente doentes que sofrem com a desconfiança e corrupção dos médicos de nossa Previdência Social.

No nosso meio evangélico a coisa não é diferente, infelizmente. O povo que foi chamado para ser Sal da Terra e Luz do Mundo é intolerante com os que pensam diferente deles. São guias cegos, guiados por outros cegos e corruptos. Negam o Jesus bíblico por movimentos heréticos como o neo-pentecostalismo e o neo-liberalismo. Abandonam o Santo dos Santos, o Rei dos reis para se dedicarem a falsos profetas e falsos apóstolos que cometem crimes, mas dão um “jeitinho” de se safarem.

Vemos guias cegos escondendo dinheiro ilegal dentro de Bíblia, ou ensinando seus pastores como enganar e tirar dinheiro dos fiéis até mesmo com a piada do “dá ou desce”, ou construindo mega-Igrejas e ajuntando multidões diante deles para demonstrar força e ganhar apôio político ou financeiro, ou vemos uns oportunistas mais intelectualizados ensinando você a generalizar sua inconformidade contra todas as instituições, mesmos as sérias, te ensinando a ser um inútil rebelde sem causa, que só faz volume nesse mundo, sem servir para mais..

Enfim, o brasileiro corrompeu seu “jeitinho” e o povo evangélico não tem feito diferente.

A boa notícia nisso tudo, é que nós, que queremos andar honestamente, não devemos ficar surpresos nesse cenário. A Bíblia já nos anunciava:

“Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus;” (Romanos 3:23).
A Confissão de Fé de Westminster explica que a “corrupção original pela qual ficamos totalmente indispostos, adversos a todo o bem e inteiramente inclinados a todo o mal, é que procedem todas as transgressões atuais.” Ou seja, esse cenário é parte da consequência da nossa queda e depravação como pecadores e nós também estamos sujeitos a nos render à cultura do corrupto “jeitinho brasileiro”.

Opa! Que “boa notícia” é essa? A boa notícia é que há salvação dessa queda generalizada do povo brasileiro. Se você é evangélico, ou é de qualque outro credo religioso, mas nesse post percebeu que é um irresponsável e negligente com seus deveres como cristão, arrependa-se e olhe para a Cruz. Jesus está de braços abertos para nos perdoar e nos ajudar a mudar pela Sua graça. Creia!

“Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus; não vem das obras, para que ninguém se glorie. Porque somos feitura sua, criados em Cristo Jesus para boas obras, as quais Deus antes preparou para que andássemos nelas.” (Efesios 2:8-10).

Diga não ao “jeitinho brasileiro” e comece a agir pelo “jeitinho bíblico”. Te garanto que a paz eterna de Jesus Cristo vai tomar conta da sua vida.

Surian

Anúncios