Você já se perguntou se é compatível com o cristão flertar? Não vou entrar na questão do pode ou não pode, você tem uma Bíblia, leia!! Lá tem o que pode ou não pode. Eu vi esse texto num site judeu e achei legal compartilhar para a nossa reflexão como cristãos também, afinal, temos os mesmos princípios nessa área, já que Jesus não substituiu as leis de Deus nessa área. Não concordo com tudo desse texto, por exemplo a definição que ele faz de “flertar” como sendo o ato sexual em si, sabemos que hoje o flertar é também demonstrar interessa em outra pessoa e isso não é pecado, mas acho super pertinente compartilhar esse texto para pensarmos bem na maneira como nos aproximamos e tomar cuidado com as pessoas em quem nos interessamos.

Sem mais delongas, segue o texto para pensar e desafiar a si mesmo a cumprir, para que sejamos bíblicos, portanto felizes, nessa área também de nossa vida:

Por definição, flertar é comportar-se de forma brincalhona com a intenção de despertar o interesse sexual. Mas o flerte não é tanto sobre “como?” ou mesmo “por que?”, mas sim “com quem?” Se você encontrou uma linda desconhecida em um bar, atravessando a rua ou no ponto de ônibus, ou deu de cara com um simpático e educado estranho no elevador, pare por aí. Você já está fazendo tudo errado.

Flertar do modo que conhecemos é divertido, mas fútil. É ser alguém que você não é com alguém que você não conhece, e aquele alguém faz o mesmo com você. É falso, uma fachada repleta apenas de hormônios; e desmorona, porque nunca foi real. O flerte funciona em qualquer lugar, mas não o leva a lugar algum. O verdadeiro flerte é sem graça, mas bate de longe o falso: é claro que você pode fazer uma garota rir mas ela vai casar-se com você por isso? Ah, ah. Essa é uma mentira pretensiosa. E além disso – este é o ponto crítico – você nada sabe sobre ela!

O judaísmo nos fornece uma visão completamente oposta à relacionamentos despretensiosos, momentâneos e fugazes. Enquanto o flerte diz: vá de fora para dentro. O Judaísmo diz: vá de dentro para fora. O flerte coloca a paixão antes das personalidades. O Judaísmo põe as personalidades antes das paixões. Flertar é: atire primeiro e pergunte depois. O Judaísmo é: faça perguntas primeiro e atire depois.

Você poderá argumentar: “Mas conheço pessoas que se apaixonaram num estalo!” Tudo bem – também conheço. E daí? Daí que eles demonstraram um interesse apaixonado, compartilharam idéias e ideais comuns, casaram-se e viveram felizes para sempre – correto? Mas isso não é flerte. Eles foram muito além disso. Transformaram sua relação em algo sério. E flertar é tudo, menos sério.

Como então funciona a química judaica? O verdadeiro flerte requer um ambiente controlado, como numa experiência científica. Portanto, se está mesmo interessado naquela pessoa, a melhor maneira de aproximar-se dela é estabelecer um alicerce – peça a um amigo para fazer a apresentação, então sugira um encontro. O ideal é usar o método da rede: diga a todos seus amigos que está procurando um relacionamento. Seja tão específico quanto possível. Eles falarão a outros, e alguém com certeza conhecerá ou encontrará uma pessoa de quem você realmente goste. Eles o apresentam, e a partir daí é com você. Isso o poupará do trabalho de flertar e acabar entrando em alguma, senão, várias “frias”.

Flertar é ser outra pessoa. O verdadeiro flerte é ser você mesmo. Flertar é se exibir. O verdadeiro flerte é destacar-se. Flertar é bazófia. O verdadeiro flerte é humor, honestidade e coração. E apesar dos psicólogos da moda e dos colunistas que dão conselhos, o contato físico não é uma boa idéia – se um relacionamento sério criar raízes e brotar, haverá muito disso mais tarde…

Flertar é certo se aquela pessoa é adequada para você. E mesmo então, precisa fazê-lo direito. Se isso dá a impressão de que o melhor flerte é nenhum flerte, você entendeu. Porque você não flerta para encontrar aquela pessoa especial – você encontra a pessoa especial e então flerta.

“Mas nós nos amamos!” você pode argumentar. “Por que nenhum contato físico?” Vocês se amam, correto? Então a melhor forma de prová-lo é assumindo esta relação. Como? Casando-se. Você sabe o que fazer depois disso – é para isso que existe o casamento. Antes dele, a Torá diz: “Tire as mãos!” na mitsvá negativa nº 353. Isso mantém o casamento sagrado. Manter a chama sempre acesa, flertar à sério com a pessoa mais importante de sua vida, a quem você elegeu para viver juntos para sempre, este é o verdadeiro amor. Pode flertar a vontade e sem receios… este, eu assino em baixo!

Anúncios