AngerConflict

 

Eu costumo postar muito sobre política nos meus perfis de redes sociais, principalmente Facebook e Twitter. Posto muito mais do que deveria e muitas vezes acho que exagero na quantidade de compartilhamentos e postagens sobre o assunto, mas o fatoé que posto bastante, porque o momento é disso. É o modismo atual. Sempre tem as modas de rede social: Grande Irmão, Bial, Feliciano, CQC, Sheherazade, Rock in Rio, enfim, a galera começa a comentar e todo mundo começa a tecer seus comentários e rede social é isso mesmo, poder quebrar a distância e conversar com os amigos.

Nas Redes Sociais a gente fala de algo que pensa e todos lêem, então é diferente de quando você sai com uns amigos para uma festa Heavy metal e fala de Heavy metal e todos interagem dentro desse assunto trocando idéias felizes da vida pelo assunto. Aqui eu falo de Heavy metal e muita gente que não curte Heavy metal vai ler e alguns podem até se sentir incomodados e querer dizer que o funk Ostentação, gospel, MPB, sertanejo e outras merdas (rsrs) são melhores que Heavy metal, daí pronto, vira um conflito.

Dizem que futebol, política e religião não se discutem. A idéia por trás de uma declaração dessas é: “esses temas dão treta, mano. Se não quer arrumar pra sua cabeça, não fale dessas coisas!”

E aqui parece que esses temas são os mais falados. Daí os conflitos e desagrados são inevitáveis..

Sobre política, eu amo a Democracia. Ou seja, eu gosto da liberdade, da possibilidade de querer o que quiser e acreditar no que quiser sobre política, sem isso ser crime ou passível de prisão, tortura ou morte, como numa Ditadura. E para uma democracia ser mesmo uma democracia, tem que existir a diversidade. As pessoas vão inevitavelmente discordar e pensar diferente sobre qualquer assunto, principalmente sobre política. A cada momento modista que acontece, as pessoas vão se unir sob a bandeira da moda corrente, mas depois outra moda surge e os que antes estavam Unidos e “combatendo” pelo mesmo ideal se separam e entram em conflito entre si por causa da próxima moda e assim se repete nessa “metamorfose ambulante”..

O que, como cristão, quero evitar é o exclusivismo ideológico e a exclusão de pessoas. Ou seja, não quero filtrar a convivência com meus irmãos por eles discordarem de mim. Não quero excluir irmãos na fé em Jesus por pontos que considero imperfeitos e falhos em suas idéias políticas, porque eu tb sou pecador em tudo, porém amado e aceito pela graça, e Jesus diz que devemos tratar as pessoas da maneira como o Pai nos trata, com tolerância, amor e misericórdia.

Política terrena não é tema central nas Escrituras. Nós, cristãos, temos dupla cidadania e aqui somos apenas peregrinos, nosso Reino, ou Governo, não é deste mundo. Não somos chamados a implantar uma “teocracia” terrena, mas uma espiritual, pela pregação do Evangelho da fé em Jesus, para usufruirmos espiritualmente do Reino de Deus aqui na Terra, até nos reunirmos na Nova Jerusalém, aonde não haverá Direita, Esquerda, Centro, Monarquia, Parlamentarismo, Presidencialismo, nenhum modelo político deste mundo, mas uma vida plena num sistema que nenhum olho viu, nenhum ouvido ouviu, nem jamais penetrou em coração humano, e que Deus preparou para nós.

Então meu desafio é tratar a política como secundária. Encare meus posts aqui como temas secundários, por mais que a frequência seja um pouco maior do que eu deveria tratar do tema. E não pense que estou filtrando ou rejeitando sua amizade por discordar de você.

Deus abençoe.

Anúncios