Jovem negro foi espancado e morto acusado por algo que não cometeu no Brasil. Legítima Defesa é se defender no ato da violência, não ir atrás de alguém, sem ter prova, sem ouvir o acusado, ou seja, sem entregar o acusado às autoridade, aí é vingança e pode muito provavelmente afetar um inocente, como no caso desta foto.

Jovem negro foi espancado e morto acusado por algo que não cometeu no Brasil. Legítima Defesa é se defender no ato da violência, não ir atrás de alguém, sem ter prova, sem ouvir o acusado, ou seja, sem entregar o acusado às autoridade, aí é vingança e pode muito provavelmente afetar um inocente, como no caso desta foto.

Alguns estão me acusando numa postagem que prega a não-violência de ser contra a defesa pessoal quando digo que não há diferença entre aqueles que matam com a Bíblia na Mão e os que matam com o Alcorão na mão, porque há sim os extremistas cristãos, que pregam uma “justiça” ou “defesa” sem ser por parte das autoridades constituídas por Deus e acham correta a morte e a eliminação do próximo em nome dessa “defesa” (ou melhor, “revide” sem julgamento justo) e vemos esses extremistas hoje em dia representados em redes sociais, por apresentadores de programas de TV, jornalistas e até em púlpitos de igrejas, na filosofia nada bíblica de “bandido bom é bandido morto”, ou em nome da “Lei de Deus” e etc. São “cultura do terror” (terrorismo) também.

Toda vez que vejo na Bíblia a maneira como Deus manda tratar com a criminalidade, sempre vejo como contenção e freio. Não vejo essa vingança e desprezo pela vida humana que se prega no Facebook, inclusive em páginas e perfis de pessoas da religião cristã..

Falando a Ezequiel, Deus fala sobre a morte inevitável de quem pratica o mal com teimosia e persistência, como bandidos, adúlteros, assassinos, exploradores de pobres e dizia que essas coisas geram revolta e provocam a morte dos malfeitores (lembrando que, para Deus, como mostra esta passagem de Ezequiel, o preconceito, a indiferença e os sentimentos de superioridade com os pobres também são coisa de malfeitor, então não adianta pedir a cabeça de um malfeitor se você é preconceituoso ou indiferente com o seu próximo. Quem age assim, para Deus, é tão malfeitor quanto um bandido ou um terrorista). Deus então repreende quem tem prazer com a morte do seu próximo, seja o criminoso ou o explorador do pobre:

“Acaso tenho prazer na morte na morte do ímpio? Palavra do Soberano Senhor. Pelo contrario, acaso não me agrada vê-lo mudar seus caminhos e viver?” (Ez 18.23)

Existe a galera que se acha superior ao seu próximo que está no erro, mesmo gente que ostenta o título de cristão/gospel/reformado/cidadão de bem da internet, mas desviam ou alteram a fé bíblica para não seguir aos mandamentos divinos de amor ao próximo quando se trata de malfeitores, como se a Bíblia não tivesse valor com esta gente e que amar malfeitores, Amar o próximo sem acepção de pessoas, como manda Deus, é injusto (e injustica muitas vezes quem sofre é o alvo do desejo de morte do que defende a eliminação de pessoas, pois muitas vezes o alvo dos comentários maldosos ou mesmo vias de fato com a violência nem é culpado de nada, muitas vezes se trata de um inocente tratado com preconceito, envolvido com nada ilegal, condenado no coração de pessoas más ou apressadas em condenar o próximo sem julgamento justo).

Deus então argumenta:

“Contudo, vocês dizem: ‘O Caminho do Senhor não é justo’. Ouça, ó nação de Israel: O meu caminho é injusto? Não são os seus caminhos que são injustos?” (Ez 18:25)

O capítulo mostra que quem comete a opressão, seja quem maltrata negros, pobres, muçulmanos, cristãos, qualquer pessoa que seja tratada injustamente ou com indiferença; sejam políticos que privam os mais necessitados de direitos como educação de qualidade e saúde, que colocam a polícia atrás de pessoas inocentes apenas por preconceitos raciais, sociais, etc, que são negligentes com a segurança pública, a punição e a recuperação de criminosos; sejam os bandidos que oprimem e matam suas vítimas em assaltos e sequestros, sej terroristas que atacam inocentes por motivos ideológicos, sejam autoridades que invadem outros países e matam inocentes em nome de interesses financeiros ou territoriais, a Bíblia que diz todos os opressores merecem mesmo a morte, mas Deus diz que isso é um colateral, não algo a se desejar.

Ou seja, a punição e a justiça são necessárias, Deus mesmo estipulou penalidades que incluíam até a pena de morte no Antigo Testamento em Israel, quando a Aliança de Deus era exclusiva com eles, mas o sentimento nunca foi de vingança. Deus sempre deixou claro que a Vingança pertencia a Ele, não a nós, humanos caídos e injustos. As punições visavam a contenção do mal, não punir o mal com o mal, como vocês desejam e pregam no Facebook. Hoje as leis civis de Israel não são mais para nós na Nova Aliança, elas nos dão uma sabedoria de “equidade geral” social e individual, mas não são mais de aplicação obrigatória, somente a Lei Moral é confirmada no Novo Testamento e o restante ficou como sombra de uma Antiga Aliança para nós na Nova Aliança com a humanidade.

São Paulo e São Pedro ensinam que Lei Moral é usada por Deus entre as AUTORIDADES para conter e combater o mal (1 Pe 2:11-17/Rom 13), por isso o cristão pode sim querer justiça e a contenção de gente que pratica o mal, mas a Bíblia ensina, também nos textos deles que falam sobre AMOR após falarem da contenção do mal, que isso deve ser feito com um sentimento de pesar pelo próximo que se enveredou em caminhos errados e num sentimento de um bem coletivo, com amor fraternal, visando sempre o bem, não em pagar o mal com o mal, não para saciar sua sede de sangue e vingança e apoiar seu desprezo pela vida humana (os bandidos também são humanos e são iguais a você, por mais que você se sinta superior, e você desejar o mal deles te torna exatamente igual a eles diante de Deus, que também desejam o mal do próximo, você, cristão, deve ser diferente deles), não se deve desejar a morte e qualquer mal do próximo com prazer, como se prega no Facebook, porque Deus não sente prazer nisso, e os que receberam o Espírito Santo pelas águas do batismo devem ter o mesmo sentimento de Deus (Fil 2.6).

Desejar a morte do seu próximo é normal como humanos carnais que somos, nossa natureza espiritual foi regenerada, mas a carnal ainda está em nós, por isso ficamos sentindo coisas carnais a todo instante, como fez Davi, que queria até esmagar cabeça de crianças com pedras, é normal, faz parte da nossa carne caída e que procura sempre a violência e o sentimento de superioridade diante do próximo, mas devemos entregar nossas ansiedades e outros sentimentos carnais a Deus, como fez Davi em seu célebre salmo, e andar em Espírito, desejando o bem. Desejar o mal, seja de quem for, não é andar de acordo com a vontade de Deus.

Muito ainda chegam ao absurdo de defender que o cristianismo seja estabelecido ou defendido pela força, através da política, intervenções, armas e etc, e postam vídeos, artigos, etc, etc, querendo “provar” que a solução para o mundo mal, mostrando vários exemplos de mal no mundo, é pagar o mal estabelecendo uma ideologia tão diversa e heterogênea pela força.

Na verdade, penso como Lutero sobre essas coisas, quando ele diz:

“Alguém perguntou a Lutero se ele se defenderia se alguém o atacasse em Dübener. Sim, ele disse, com certeza!! E com a espada eu venceria, porque não teria ninguém lá para me ajudar e eu mataria tantos que eu pudesse ali. E depois eu participaria dos santos sacramentos de consciência limpa.

Mas se alguém me atacasse por pregar o Evangelho, eu estenderia minhas mãos e diria: ‘Cristo, meu Senhor, eis me aqui, eu preguei tua Palavra e agora minha hora chegou, eu entrego minha alma em tuas mãos’. E seria assim como eu morreria.” (conversas à mesa, nota 1815)

Enfim, creio que cada caso é um caso e é mandamento, Lei de Deus, obrigação, para o cristão colocar a misericórdia em primeiro lugar, então os pensamentos de morte e destruição do próximo para pagar o mal com o mal são pensamentos pecaminosos que geram atitudes pecaminosas, bem longe da pureza ensinada por Deus na Lei, que tem como regra o “Não Matarás”, e foi vivida por Jesus nos Evangelhos. A defesa pessoal é sim um direito, e, infelizmente, uma necessidade triste num mundo mal, mas Deus nos permite isso como uma exceção, a regra da Lei Moral de Deus ainda é “não matarás”, mas não podemos confundir essa permissão como exceção à defesa em situações extremas com liberdade para matar pessoas como “revide” e não como defesa, ou matar no dia-a-dia, e muito menos como desculpa para preconceito, desprezo e ódio para com o próximo..

“Aquele que diz: “Eu o conheço”, mas não obedece aos seus mandamentos, é mentiroso, e a verdade não está nele. 

Mas, se alguém obedece à sua palavra, nele verdadeiramente o amor de Deus está aperfeiçoado. Desta forma sabemos que estamos nele: aquele que afirma que permanece nele, deve andar como ele andou.Quem afirma estar na luz mas odeia seu irmão, continua nas trevas.

Quem ama seu irmão permanece na luz, e nele não há causa de tropeço. Mas quem odeia seu irmão está nas trevas e anda nas trevas; não sabe para onde vai, porque as trevas o cegaram“

1 João 2:4-6,9-11

Não retribuam a ninguém mal por mal. Procurem fazer o que é correto aos olhos de todos.

Façam todo o possível para viver em paz com todos.

Amados, nunca procurem vingar-se, mas deixem com Deus a ira, pois está escrito: “Minha é a vingança; eu retribuirei”, diz o Senhor. Pelo contrário: “Se o seu inimigo tiver fome, dê-lhe de comer; se tiver sede, dê-lhe de beber. Fazendo isso, você amontoará brasas vivas sobre a cabeça dele”.

Não se deixem vencer pelo mal, mas vençam o mal com o bem.

Rm 12.17-21

Anúncios