Protestantes às vezes se perdem em cada coisa..
Protestantes às vezes se perdem em cada coisa..

Essa galerinha radical que é osso duro de roer vai aprontar altas confusões iradas e irritar muita gente pelo Facebook e internet com suas imposições sobre os outros e trazer uma imagem de arrepiar sobre Jesus e o plano de Redenção de Deus o Pai.


Deixando a vibe de narrador da Sessão da Tarde pra lá, muita gente me procura perguntando e até sofrendo pela nova vibe dos evangélicos e protestantes brasileiros, que é atormentar o próximo por causa de política.

Temos pastores protestantes hoje dizendo que quem vota no PSDB odeia os pobres, que é nazista, fascista, racista e você deve desfazer a amizade com quem vota assim. Temos pastores hoje dizendo que quem vota no PT não é cristão, mas é “escória”, “bandido” e você deve cobrar deles que não votem no PT, ou se afastar de seu amigo que vota assim.

Olha, eu não boto minha mão no fogo por nenhuma figura pública que personaliza algum discurso político. Já vi muita coisa nesse meio evangélico e não duvido nada que façam isso por algum interesse nada espiritual, como membro de sua igreja, ou parente/amigo próximo envolvido com candidaturas ou com projetos políticos, ou mesmo não duvido que recebam dinheiro para prestar apoio a um partido, ou detonar o outro. Mas vamos deixar esse detalhe para blogs políticos, não é meu caso, mas essa desconfiança eu tenho.

Independente da motivação, o que acontece é muita gente ferida, ou revoltada. Gente odiando o próximo por causa da escolha política ou social dele, ou gente sofrendo por receber esse tipo de ódio e rejeição por não concordar com algo que deveria ser menor para um cristão, que deveria ter a Deus acima de todas as coisas, o próximo sendo considerado como si mesmo, mas ao invés disso falam muito mal do próximo, com sentimentos bem ruins e querem Deus bem longe dos que têm uma posição política diferente deles, exigem uma necessidade de se tomar uma posição política igual ou dentro da aprovação deles para ser cristão, portanto salvo (pois quem não é cristão, não está salvo, segundo a Bíblia, afinal, só Jesus salva). Só que ao comparar o amor que recebe de Deus e o que lê nas Escrituras com esses discursos inflamados sobre política de muitos conservadores um estudioso aberto para as Escrituras logo vê que não é bem assim e passa a sofrer, ou se revoltar com isso. E ao verem figuras públicas de quem extraíam palavras de edificação adotando um discurso de rejeição a quem pensa diferente numa área menor, como a política, se sentem abandonados, desamparados e tristes com a atitude nada pacificadora encontrada.

A coisa parece estar degringolando cada vez mais, o meio evangélico e protestante parece estar cada vez mais dividido. Já fui procurado por quem já foi expulso de sua igreja por ser de “Esquerda” e de “Direita”. Os pastores, líderes e figuras públicas estão cada vez mais inflamados e fanáticos em seus discursos e não aceitando contestação, como que se travando uma “luta do bem contra o mal”, sendo a “salvação contra o mal” a sua ideologia política, então ficam incitando paranóia e rebaixando Deus a cabo eleitoral desse jeito. Infelizmente somos todos pecadores e sujeitos a deixar Deus em segundo plano em nome de outros interesses..

Independente da motivação ou interesse, tudo isso é um desvio da Palavra de Deus. E no Brasil parece difícil os cristãos colocarem Deus acima de tudo. Na época do FHC, nos anos 90, falavam muita coisa dele pelo fato de ele ser ateu, era o surgimento da moda da “Batalha Espiritual” e muitos colocavam o FHC, o Covas, o Alckmin, o Serra, toda a tucanada do PSDB como ateus e maçons (mesmo isso não fazendo o menor sentido, assim como a paranóia de chamar o PT de comunista e que querem dar um golpe, justo o PT que favorece tanto aos bancos, latifundiários e outros ricos, sem estatizar nada também não parece fazer muito sentido). O discurso de medo atrai muitas pessoas, muitos adeptos, hoje em dia muitas curtidas e compartilhamentos no Facebook. Eu mesmo quando falo mal do PT na minha página pessoal ela bomba de curtidas e compartilhamentos, se eu quisesse aparecer era só falar mal do PT, mas como acredito que Deus é soberano sobre PT e PSDB eu tento não ficar nesse mimimi paranóico ou religioso sensacionalista..

Um dos motivos pelos quais os judeus da época de Jesus o rejeitaram como Messias, e também foi o motivo de preferirem Barrabás a Jesus para ser solto diante de Pilatos, era que Jesus não foi um líder político, um “libertador” contra o malvado império romano que os dominava e os oprimia, mas Jesus dizia que o Reino dEle não é deste mundo, e que se Ele quisesse seus seguidores e anjos poderiam fazer o maior estrago na Terra, mas Ele não tinha vindo para ser um líder político sobre os reinos da Terra (aliás, quem ficava falando em domínio político sobre os governos da Terra não era Jesus e até ofereceu este domínio sobre os reinos do mundo para Jesus era outro.. Só lembrando..), nem veio para ser o “Salvador da Pátria” através de uma ideologia ou modelo político “salvador”, mas veio para ser o Salvador de vidas, num modelo espiritual conhecido como Reino de Deus. Em Sua Soberania, Deus já tem todos os reinos da Terra, seja para abençoar, ou para punir, Jesus veio nos oferecer, pelo Evangelho, uma nova vida, sendo Ele um Rei acima dos governantes deste mundo, sendo o pecado, que conduz ao inferno, o nosso maior vilão, não um partido ou modelo político; e sendo Jesus mesmo a salvação, que nos transforma em cristãos somente pela graça por meio da fé, SEM a participação de obras, como um modelo econômico/social ou partido político.

Enfim, essa celeuma toda é a moda do momento, outras já vieram, outras mais vão vir. Temos que ser vigilantes.

Os neopentecostais nos anos 90 foram a “salvação” do meio evangélico brasileiro, que era dominado por usos e costumes, não se podia jogar bola, assistir TV, vestir certas roupas, ouvir rock, o meio evangélico era muito pesado e o neopentecostalismo veio trazer leveza com o gospel e as igrejas com liberalidade de costumes, mas ainda apego à Palavra de Deus, mas com o tempo outras ambições e prioridades tomaram conta desse movimento e eles se desviaram para o misticismo e teologia da prosperidade, virando isso aí que vemos hoje entre os neopentecostais, que hoje nem se parecem mais cristãos.

Nesta década os “reformados” pareciam ser a “salvação” para o meio evangélico que tinha ficado pior ainda com os neopentecostais se desviando da palavra de Deus que acreditavam nos anos 90, que pareciam ser a “salvação” de duas décadas atrás, mas largaram essa fé anterior e partiram para a crença na teologia da prosperidade nos anos 2000, e hoje os que se dizem “reformados” também estão largando as doutrinas da Graça sobre a fé, Jesus e a Bíblia em nome de outras coisas, como fundamentalismo, legalismo, ambições de poder, política, marcação de território e etc..

Diante de tudo isso, o conselho de Lutero é uma boa direção:
“Ao mal não se deve resistir, mas tolerá-lo. No entanto, não se deve aprová-lo nem colaborar com ele ou seguir e obedecer-lhe se quer com um passo ou com um dedo.”

Devemos tolerar nossos irmãos adeptos dessas modas atuais, mas não participar do que eles estão fazendo, de transformar Deus em mascote político e de tratar uma ideologia política como sendo divina e cabendo a nós o “dever” de lutar para implantar a vontade divina sobre os reinos da Terra através do Capitalismo, Socialismo, Direita, Esquerda e etc.. Essas plataformas não são divinas, mas humanas, e Deus já é Senhor sobre a Terra. Não tem como dividir a fidelidade com Deus e Cesar. Ainda que Cesar (alguma plataforma política) se diga divino, diga que cumpre a vontade de Deus, sabemos que não é, pois para nós só há um Deus e Ele domina sobre César, com ele seguindo ou não os valores cristãos. Cesar deve ficar no lugar de Cesar e Deus no lugar de Deus, não podemos misturar as coisas, antes devemos render honras, glória e salvação e também ter temor somente a Deus, não a nenhuma ideologia política.

O Senhor falou comigo com veemência, advertindo-me a não seguir o caminho desse povo. Ele disse:
“Não chamem conspiração tudo o que esse povo chama conspiração; não temam aquilo que eles temem, nem se apavorem.
Ao Senhor dos Exércitos é que vocês devem considerar santo, a ele é que vocês devem temer, dele é que vocês devem ter pavor.”
Isaías 8:11-13

Há muitos “deuses” e muitos “senhores”, para nós, porém, há um único Deus, o Pai, de quem vêm todas as coisas e para quem vivemos; e um só Senhor, Jesus Cristo, por meio de quem vieram todas as coisas e por meio de quem vivemos.
Contudo, nem todos (os cristãos) têm esse entendimento. Alguns, ainda estão habituados com os ídolos.
1 Coríntios 8:5-7

 

Anúncios