compare-communication-across-cultures

Faz parte do papel da igreja falar contra pecados culturais, quando necessário. No entanto, não devemos enfatizar os pecados da cultura em geral e esquecer de nossos próprios pecados. Como pastor, eu descobri que as pessoas tendem a elogiar sermões aonde são confrontados os pecados contra os quais elas pessoalmente não lutam. Este é o velho Adão dentro de cada um de nós. Nós amamos a condenação da lei de Deus, quando outra pessoa é apontada. Quando isso acontece, nós pensamos em termos de nós contra eles. Nós gostamos de pensar que estamos no lado sagrado de uma guerra justa, pronto para conquistar os pecadores maus fora das paredes da igreja.

Mas a verdade é que todos nós somos pecadores, e os pecados diários de todas as pessoas devem ser confrontados.

Meu medo é porque em certos círculos hoje, como os moralistas da política* (*tradução livre), ou a recente popularidade da teonomia* (*seita hiper calvinista) entre os jovens calvinistas, esta atitude de enfrentar os pecados do mundo exterior ultrapassou a preocupação com os nossos próprios pecados pessoais. Este texto não é para condenar qualquer pessoa ou grupo em particular, mas um aviso para todos nós. A lei de Deus expõe a todos nós pelo que realmente somos, vamos olhar primeiro para nossas próprias falhas e deficiências antes de olharmos para os do mundo em torno de nós . O arrependimento é a tarefa diária de todos os cristãos.

– Jordan Cooper, pastor luterano.

Anúncios